Um marketplace é como um shopping virtual. Na prática, é um grande site de comércio eletrônico, gerido por uma empresa principal, através do qual vários comerciantes vendem seus produtos. A grande vantagem é que essa empresa gestora geralmente possui uma marca muito forte no mercado, transferindo ao marketplace seu reconhecimento e credibilidade por parte dos consumidores.

» Leia também – “Vender pela web? Dicas matadoras para você começar certo!”

Imagine, por exemplo, um comerciante que venda tênis através de uma loja física e que deseje também vender pela internet. Ele venderia mais se abrisse sua própria loja online ou se cadastrando no Netshoes para vender através do site deles? Com mais de 30 milhões de visitantes mensais, não há dúvidas de que, ao menos em princípio, o Netshoes oferece mais oportunidades que se esse lojista abrir seu próprio site.

De forma geral, esse é o conceito por trás dos marketplaces: uma plataforma mantida por uma grande marca, onde pequenos comerciantes vendem seus produtos. Ocorre que, como tudo na vida, vender através de marketplaces possuem pontos positivos e negativos, que devem ser a considerados com cautela.

Razões para vender

Visibilidade e Confiança

Estar ligado a uma marca forte vai colocar seu negócio em evidência. Nos grandes marketplaces seus produtos serão expostos para dezenas de milhões de visitantes todos os meses. Como exemplo, podemos citar os sites do grupo B2W – que agrega Americanas.com, Shoptime e Submarino -, que totalizam mais de 21 milhões de visitantes únicos e 2,4 milhões de pedidos por mês.

Além de visibilidade, essas marcas emprestam ao marketplace sua credibilidade, fazendo que os consumidores se sintam mais confiantes e seguros para efetivar a compra. As pessoas imaginam que comprando de uma marca consagrada, as chances de terem uma experiência ruim são menores.

Dispensa plataforma própria

Iniciar um e-commerce próprio, e do zero, pode ser custoso e complexo. Por esse motivo, os marketplaces são uma ótima solução para quem quer focar nas vendas, sem ter que se preocupar em implementar e manter uma plataforma própria.

Começar a vender através de um marketplace quase não tem custos e é relativamente simples e rápido. De uma forma geral, você se cadastra e aguarda a aprovação de seu cadastro. Uma vez aprovado, você terá um prazo para juntar os documentos solicitados para a formulação do contrato. Em seguida, você deverá passar todas as informações dos produtos que deseja oferecer. Por fim, as vendas iniciam efetivamente.

Maior rentabilidade

A grande maioria dos marketplaces trabalham recebendo do parceiro um percentual sobre os lucros ou comissões sobre as vendas. Em contrapartida, os marketplaces oferecem sua tecnologia, integração com os meios de pagamento, um grande volume de visitantes para as páginas de seus produtos e, muito importante, grande investimento em propaganda e marketing. Não ter que arcar com todos esses custos tornam a operação do parceiro muito rentável, mesmo tendo que pagar comissão ao marketplace.

Volume de vendas

Marketplaces são uma oportunidade para começar a vender rápido e em grandes volumes, pois eles atraem milhões de clientes potenciais para seu produto, de forma quase imediata. Para quem decide empreender sozinho, há um longo e tortuoso caminho até se tornar conhecido, começar a receber grande número de visitantes mensais em seu site, conquistar credibilidade e finalmente converter tráfego em vendas. Nesse caso, o marketplace é como um atalho para vendas rápidas.

Importante salientar que uma coisa não exclui a outra. Você pode começar a vender através de um marketplace para gerar receita rápido e iniciar seu próprio e-commerce para fortalecer sua marca a médio e longo prazos. Seriam, portanto, duas estratégias de vendas que se complementam. Tudo depende de seus objetivos e recursos técnico-financeiros.

SEO

Estudos indicam que mais de 90% das compras começam com pesquisas na internet, mesmo que, ao final, o consumidor decida fechar negócio em uma loja física. Os buscadores são, portanto, fundamentais para atrair potenciais clientes e gerar vendas.

Ocorre que, fazer um bom trabalho de otimização para mecanismos de busca é uma tarefa complexa e custosa, mesmo para sites pequenos. Imagine, então, para uma loja online com dezenas, centenas ou milhares de páginas de produtos.

Nos marketplaces você não precisa se preocupar com isso, pois a empresa que mantém a plataforma se responsabiliza por fazer o trabalho de SEO. E eles costumam investir pesado em geração de tráfego e atração de leads qualificados, liberando você para focar em suas vendas e atender bem ao cliente.

Marketplaces são como shoppings virtuais
Os marketplaces são como shoppings virtuais, onde vários comerciantes podem oferecer seus produtos dentro de um mesmo ambiente. Oferecem segurança ao comprador e bons lucros aos vendedores. Foto: reprodução

Razões para não vender

Perda de identidade

Dentro de um marketplace sua marca fica praticamente oculta. As pessoas dizem que compraram um tênis na Netshoes e não na “Tênis XPTO”, ainda que seja este o verdadeiro vendedor do produto adquirido através do marketplace calçadista.

Isso é um entrave para quem está querendo fixar a própria marca na cabeça dos consumidores. A solução, como já citado acima,  seria manter um site de e-commerce próprio atuando em paralelo, focado na construção da marca a médio e longo prazo. É custoso, mas pode ser compensador no futuro.

Perda de autonomia

Quando se é hóspede, segue-se as regras dos donos da casa, sem questionamentos. Todo o modelo de comercialização, o que inclui comissões, formas de pagamento, regras sobre como os produtos são exibidos, entre outros, são estabelecidos pela empresa mantenedora do marketplace. É aceitar ou ficar de fora.

Além disso, se acontecer uma catástrofe e o marketplace encerrar suas atividades, seu canal de vendas deixa de existir. Nesse caso, imagine se ele for seu principal ou único meio de comercialização na internet.

Ou seja…

Os marketplaces são uma boa solução, tanto para quem quer começar a vender na internet, como para aqueles que já possuem seu e-commerce e querem dispor de um canal adicional de vendas. Embora sua marca fique praticamente oculta e sua autonomia sofra restrições, os pontos positivos podem compensar, em muito, essas desvantagens.

Bons negócios!

Gostou do texto? Tem dúvidas ou quer fazer sugestões? Role a tela e fique a vontade na área de comentários! Sua participação é muito bem-vinda 😉 !

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here